'Ainda vão me matar numa rua': direito à cidade, violência contra LGBTs e heterocisnormatividade na cidade-armário

Claudio Oliveira de Carvalho, Gilson Santiago Macedo Júnior

Resumo


Este trabalho objetiva melhor compreensão, partindo da perspectiva crítica do Direito à Cidade, dos fenômenos crescentes de invisibilidade e violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais nos espaços urbanos, sob a construção ideológica do que chamamos ‘cidade-armário’. Partindo desta análise, entende-se o cruzamento entre fatores como sexualidade e identidade de gênero na construção e reprodução dos espaços urbanos. Aqui, a cidade-armário consiste na utilização dos espaços públicos para a mitigação e apagamento das sexualidades e/ou identidades de gênero desviantes, que fomenta discursos de ódio contra LGBTs e a preservação dos espaços urbanos como ‘lugares de respeito’ e ‘lugares de família’.

Palavras-chave


Direitos humanos; Direito

Texto completo:

PDF

Referências


BAYONA, Eduardo. “Urbanismo feminista o cómo humanizar las ciudades desde la experiencia de las mujeres”. In: Público. Espanha, 19 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2016.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2014.

BUTLER, Judith. Marcos de guerra: las vidas lloradas. Ciudad de México: Paidós, 2010.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: FFLCH, 2007.

_____. A (re)produção do espaço urbano. 1ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

CARVALHO, Claudio; RODRIGUES, Raoni. O Direito à Cidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1995.

_____. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 15ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório 2016: Assassinatos de LGBT no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes – Selo Martins, 2014.

KELLER, Daniel Gevehr; ARAÚJO, Denise Castilhos; CORSO, Aline. “Ciberterritórios e masculinidades: o papel do discreto no aplicativo Scruff”. In: Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 14, n. 27, jan./jul. 2015

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

LEMINSKI, Paulo. Toda poesia. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LEMOS, André. “Cibercultura e mobilidade: a era da conexão”. In: XXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2005. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2016.

LOPES, Débora. “‘Não há nada de estranho comigo’: a vida de uma travesti na terceira idade”. In: VICE. São Paulo, 09 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MERRYFIELD, Andy. “El derecho a la ciudad y más allá: notas sobre una reconceptualización lefebvriana”. In: Urban, v. 1, n. 2, p. 101-110, set. 2011/fev. 2012. 2011.

MILLER, D. A. The novel and the police. 1988. In: SEDGWICK, Eve Kosofsky. Epistemología del armario. 1ª ed. Barcelona: Ediciones de la Tempestad, 1998.

MISKOLCI, Richard. “O armário ampliado - notas sobre sociabilidade homoerótica na era da internet”. In: Gênero. Niterói, v. 9, n. 2, p. 171-190, 1º semestre de 2009.

MISSE, Richard. O Estigma do passivo sexual: um símbolo de estigma no discurso cotidiano. 3. ed. aumentada. Rio de Janeiro: NECVU/LeMetro, 2007.

ROLNIK, Raquel. Para além da lei: legislação urbanística e cidadania (São Paulo 1886-1936). 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.

_____. O que é cidade. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

SANTOS, Milton. O espaço do cidadão. 7ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Epistemología del armario. 1ª ed. Barcelona: Ediciones de la Tempestad, 1998.

SILVA, Joseli Maria. “A cidade dos corpos transgressores da heteronormatividade”. In: Geo UERJ. Rio de Janeiro, ano 10, v. 1, n. 18, p. 3-19, 1º semestre de 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18759/rdgf.v20i2.1018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Direitos e Garantias Fundamentais

Licença Creative Commons
Revista de Direitos e Garantias Fundamentais http://www.fdv.br/sisbib/index.php/direitosegarantias está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.