Vícios e virtudes nas políticas públicas de cotas educionais: os obstáculos ao desenvolvimento humano com a chegada dos cotistas nas universidades públicas

  • Edson Mitsuo Tiujo Pontifícia Universidade Católica - PR Universidade Estadual de Maringá - PR
  • Bruno Grego dos Santos Pontifícia Universidade Católica - PR

Resumo

O artigo propõe-se a discutir as políticas públicas de cotas educacionais sob o crivo da justiça. Adotando-se uma leitura liberal igualitária da vigente Constituição brasileira, com base principalmente em John Rawls, a pesquisa debruça-se a analisar desde as virtudes das políticas de acesso e ingresso dos cotistas nas universidades públicas até os persistentes vícios nas relações entre cotistas e não cotistas e, também, nos ambientes universitários. Partindo-se da hipótese de que o consenso sobre o valor da igualdade ainda não está totalmente formado no meio social, embora já o esteja no âmbito constitucional brasileiro, a pesquisa propõe a necessidade das políticas públicas de continuidade e permanência dos estudantes estar em conformidade com a missão das universidades públicas, sob pena de os vícios presentes no meio social e insistentes nos ambientes universitários suplantarem as conquistas obtidas até então.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Mitsuo Tiujo, Pontifícia Universidade Católica - PR Universidade Estadual de Maringá - PR
Doutorando em Direito Econômico pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PR); Mestre em Direito Negocial pela Universidade Estadual de Londrina (PR); Bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Maringá (PR). Professor Efetivo na Universidade Estadual de Maringá (PR). Advogado no Estado do Paraná.
Bruno Grego dos Santos, Pontifícia Universidade Católica - PR
Doutor em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (SP), com estágio de pesquisa de doutoramento na Universidade de Coimbra e intercâmbio acadêmico na University of Notre Dame Austrália. Professor da Escola de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PR). Advogado.

Referências

CASTRO, Jorge Abrahão de. Política social no Brasil: marco conceitual e análise da ampliação do escopo, escala e gasto público. Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação, Porto Alegre, n. 1, p. 66-95, jan./jun. 2011.

CERQUEIRA, Diogo Marçal; GONÇALVES, Carlianne Paiva; RATTS, Alex. As marcas da travessia: o processo de implementação de ações afirmativas e cotas na Universidade Federal de Goiás. In: SANTOS, Jocélio Teles dos (org.). Cotas nas Universidades: análise dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012, p. 259-284.

CITTADINO, Gisele. Pluralismo, Direito e Justiça Distributiva: Elementos da Filosofia Constitucional Contemporânea. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1999.

CLÈVE, Clèmerson Merlin. Ações afirmativas, justiça e igualdade. Doutrinas Essenciais e Direito Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais. V. 8, ago./2015, p. 671-695.

CORDEIRO, Maria José de Jesus Alves. Cotas para negros e indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. In: SANTOS, Jocélio Teles dos (org.). Cotas nas Universidades: análise dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012, p. 17-38.

FREY, Klaus. Políticas Públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. Brasília, n. 21, p. 211-259, jun./2000.

GARGARELA, Roberto. As teorias da justiça depois de Rawls: um breve manual de filosofia política. Tradução de Reis Freire. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GUASTI, Maria Cristina Figueiredo Aguiar. Representações sociais: sobre as ações afirmativas no ensino superior e sobre os estudantes cotistas na Ufes. Curitiba: CRV, 2016.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. A condição política pós-moderna. Tradução de Marcos Santarrita. 2. Ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

JENSEN, Geziela. Política de cotas raciais em universidades brasileiras: entre a legitimidade e a eficácia. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2015.

MACINTYRE, Alasdair. Depois da Virtude. Tradução de Jussara Simões. Bauru: EDUSC, 2001.

MAIA, Gretha Leite; MELO, César. Lei de Cotas no Ensino Público: fundamentos, dispositivos normativos e desafios de implementação. Revista de Direito Administrativo e Infraestrutura. V. 2, jul.-set./2017, p. 165-184.

MALISKA, Marcos Augusto. Art. 208 da Constituição da República. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar Ferreira; SARLET, Ingo Wolfgang; STRECK, Lenio Luiz. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2014, p. 1964-1975.

MARIO, Camila Gonçalves de. Concepções de justiça e a análise de políticas públicas. Administração Pública e Gestão Social. Modalidade Editorial: Eletrônica – http://www.apgs.ufv.br. V. 1, N. 1 (janeiro/março 2016). Viçosa (MG). Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa – UFV.

MATOS, Maurício dos Santos; PIMENTA, Selma Garrido; ALMEIDA, Maria Isabel de; OLIVEIRA, Maria Amélia de Campos. O impacto do Programa de Inclusão Social da Universidade de São Paulo no acesso de estudantes de escola pública ao ensino superior público gratuito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 93, n. 235, p. 720-742, set./dez. 2012.

MODESTO, João Gabriel; MINELLI, Ana Caroline; FERNANDES, Maria Paula; RODRIGUES, Matheus; BUFOLO, Ravena; BITENCOURT, Rodolfo; PILATI, Ronaldo. Racismo e políticas afirmativas: evidências do modelo de discriminação justificada. Psicologia social, organizacional e do trabalho. Brasília, v. 33, p. 1-8, 2017.

NOVAIS, Jorge Reis. As restrições aos Direitos Fundamentais não expressamente autorizadas pela Constituição. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2010.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Tradução de Almiro Pisetta e Lenita Maria Rímoli Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

RIBEIRO, Marcia Carla Pereira; DINIZ, Patricia Dittrich Ferreira. Compliance e Lei Anticorrupção nas empresas. Revista de Informação Legislativa. Brasília, ano 52, n. 205, p. 87-105, jan./mar. 2015.

RODRIGUES, Rui Martinho. RODRIGUES, Carlos Roberto Martins; SILVA, Maria Josefina da; ALBUQUERQUE, Cândido Bittencourt de. A (i)legitimidade das políticas públicas: a República entre a igualdade e a especificidade. São Paulo: Malheiros, 2015.

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Tradução de Heloísa Matias e Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2012.

SILVEIRA, Paulo Roberto Cardoso da; SILVEIRA, Marta Íris C. Messias da. Da maioria silenciosa à minoria mobilizada: as tensões e contradições na implantação das ações afirmativas na Universidade Federal de Santa Maria – RS. In: SANTOS, Jocélio Teles dos (org.). Cotas nas Universidades: análise dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012, p. 209-234.

SOUSA, Virgínio Motta. As ações afirmativas nas universidades brasileiras e o conceito de justiça na obra de Ronald Dworkin. In: BRANCO, Paulo Gonet; BARROS, Janete Ricken de. Dignidade da pessoa humana e igualdade: aspectos pontuais. Brasília: IDP, 2014, p. 57.

SOUZA NETO, Cláudio Pereira; SARMENTO, Daniel. Direito Constitucional: teoria, história e métodos de trabalho. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2017.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Tiujo, E. M., & dos Santos, B. G. (2020). Vícios e virtudes nas políticas públicas de cotas educionais: os obstáculos ao desenvolvimento humano com a chegada dos cotistas nas universidades públicas. Revista De Direitos E Garantias Fundamentais, 21(3), 279-310. https://doi.org/10.18759/rdgf.v21i3.1715