Constitucionalismo e literatura: José de Alencar e o tribunal do júri

Júlio Edstron Secundino Santos, Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy

Resumo


O ensaio analisa a colaboração do reconhecido escritor José de Alencar para a discussão dos problemas constitucionais brasileiros. Alencar criticava a forma como o júri era tratado pela legislação que, a seu ver, afastava-se do comando constitucional. O ensaio sustenta que Alencar defendia o tribunal do júri também para matérias cíveis. Equiparava o júri ao direito de voto. Nesse sentido, o júri seria, para Alencar, legítima manifestação de soberania política.


Palavras-chave


Constitucionalismo. José de Alencar. Tribunal do Júri.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de, A Propriedade, Brasília: Senado Federal, 2004 [1883-b].

ALENCAR, José de, Esboços Jurídicos, Rio de Janeiro: Garnier, 1883.

ALENCAR, José de, Pareceres, in Obras Jurídicas Cearenses, Resgate Histórico, Fortaleza: Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, 1960.

ALENCAR, José de, Por que sou romancista, Rio de Janeiro: Leuzinger, 1893.

ALENCAR, José de, Uma Tese Constitucional, Rio de Janeiro: Livraria Popular, 1867.

BOYD WHITE, James, Justice as Translation, an Essay in Cultural and Legal Criticism, Chicago and London: The University of Chicago Press, 1994.

BUENO, José Antônio Pimenta, Marques de São Vicente, Direito Público Brasileiro e Análise da Constituição do Império, São Paulo: Ed. 34, 2002.

CALVO, José González, Justicia Constitucional y Literatura, Lima: Centro de Estudios Constitucionales, Tribunal Constitucional del Peru, 2016.

CARVALHO, José Murilo, A Construção da Ordem (A Elite Política Imperial)- Teatro de Sombras (A Política Imperial), Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAVALCANTI, João Barbalho Uchoa, Constituição Federal Brasileira, Brasília: Senado Federal, 1992.

DEL PRIORE, Mary, Histórias e conversas de mulher, São Paulo: Planeta, 2013.

GARAVELLI, Bice Mortaria, Manual de Retórica, Madrid: Cátedra, 2000.

LIRA NETO, O Inimigo do Rei, São Paulo: Globo, 2006.

LOPES, José Reinaldo de Lima, O Oráculo de Delfos, o Conselho de Estado no Brasil Império, São Paulo: Saraiva, 2010.

LUKÁCS, Georg, A Teoria do Romance. Tradução de João Marques Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2006.

MAGALHÃES JÚNIOR, R., José de Alencar e sua época, São Paulo: Lisa, s.d.

MERQUIOR, José Guilherme, De Anchieta a Euclides, breve história da literatura brasileira, Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

NOGUEIRA, Almeida, A Academia de São Paulo, Tradições e Reminiscências, vol. 3. São Paulo: Saraiva, 1977.

RABELAIS, François, Gargântua e Pantagruel, Belo Horizonte e Rio de Janeiro: Villa Rica, 1991. Tradução de David Martins Júnior.




DOI: http://dx.doi.org/10.18759/rdgf.v20i3.1771

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Direitos e Garantias Fundamentais

Licença Creative Commons
Revista de Direitos e Garantias Fundamentais http://www.fdv.br/sisbib/index.php/direitosegarantias está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.