A família como instituição política e a teoria das capacidades de Martha Nussbaum

uma análise a partir do enfoque das capacidades de Martha Nussbaum

  • Robison Tramontina Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) - SC
  • Larissa Thielle Arcaro

Resumo

Trata-se de analisar a desigualdade de gênero no exercício do cuidado à luz do enfoque das capacidades de Martha Nussbaum. A dicotomia público/privado serviu/serve como estrutura conceitual justificadora para restringir a participação das mulheres na esfera política, para inviabilizar a realização de seus projetos pessoais e profissionais e para acobertar o processo de “naturalização” do âmbito doméstico como espaço eminentemente feminino. A partir do questionamento dessa par dicotômico, o artigo objetiva demonstrar como a desigualdade de gênero no desempenho do cuidado implica expressivas desvantagens às mulheres e inviabiliza o desenvolvimentos das capacidade humanas centrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robison Tramontina, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) - SC
Coordenador do Programa de Pós - Graduação em Direito (Mestrado e Doutorado) da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC- CAPES 4). Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS ( CAPES 6). Professor de Filosofia do Direito, Argumentação Jurídica e Teorias da Justiça. Atua na Linha de Pesquisa: Fundamentos Filosóficos dos Direitos Humanos/Fundamentais e Teorias da Justiça. Os principais temas de pesquisa são: a) Teorias da Justiça; b) Justiça Distributiva e os direitos fundamentais; c) Filosofia da Segurança Social, d) Fundamentos filosóficos do Mundo do Trabalho e e) Obrigações Políticas. Revisor de diversos periódicos. ORCID: 0000-0002-1852-4983.
Publicado
2020-12-08
Como Citar
Tramontina, R., & Arcaro, L. T. (2020). A família como instituição política e a teoria das capacidades de Martha Nussbaum: uma análise a partir do enfoque das capacidades de Martha Nussbaum. Revista De Direitos E Garantias Fundamentais, 21(3), 11-30. https://doi.org/10.18759/rdgf.v21i3.1813
Seção
Estado, Democracia Constitucional e Direitos Fundamentais