REPENSANDO A IMAGINAÇÃO CRIMINOLÓGICA E OS MECANISMOS DE LUZ E SOMBRA DOS ESTADOS SOBERANOS NA MODERNIDADE

  • Álvaro Filipe Oxley da Rocha Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
  • Tiago Lorenzini Cunha Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Resumo

Durante os últimos dois séculos, os Estados-nação foram capazes de reunir diversos mecanismos técnico-científicos de luz e sombra a fim de reproduzir o antigo (e ainda contemporâneo) modelo humanístico e iluminista de proteção da ordem social, por meio do Leviatã hobbesiano. Além disso, criaram – ao mesmo tempo que reforçam – uma determinada imaginação criminológica de guerra, invisível tanto à intelectualidade acadêmica (juristas, criminólogos, etc.) quanto à hegemonia histórica, voltada para a ideologia dos vencedores. Por esse motivo, este estudo repensa essa imaginação de guerra e de morte utilizada pelos Estados soberanos em face do projeto moderno, no sentido de trazer à tona a problemática que envolve os crimes praticados pelas agências de controle oficial, isto é, os Estados-nação e os Mercados Globais. Paralelamente, também se objetiva contestar a passividade da Criminologia contemporânea, de forma a colocá-la em tensão com sua própria disciplina, questionando, assim, seu logos; os crimes que deixou de estudar; os limites dessa disciplina; entre outras responsabilizações políticas e práticas.

 

Palavras-chave: Estados-nação; Luz e sombra; Criminologia; Leviatã.

 

Abstract

During the past two centuries, nation-states were able to bring together various technical-scientific mechanisms of light and shadow in order to reproduce the old (and still contemporary) humanistic and illuminist model of protection of the social order through the Hobbesian Leviathan. In addition, they created – at the same time reinforce – a certain criminological imagination of war, invisible both to the academic intelligentsia (jurists, criminologists, etc.) and to historical hegemony, focused on the ideology of the victors. For this reason, this work seeks to rethink the imagination of war and death used by sovereign states in relation to the modern project, in order to shed light on the worst crimes committed by the official control agencies, that is, the genocides that were omitted by both the nation-states and the Global Markets. At the same time, we also want to challenge the passivity of contemporary criminology, so as to place it against the wall of its own discipline, questioning its logos, the crimes it purposely left to study, and the limits of that discipline, among other political and practical responsibilities.

 

Keywords: Nation-states; Light and shadow; Criminology; Leviathan.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Filipe Oxley da Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
Pós-doutorado em Criminologia pela Kent University - UK (Inglaterra) em 2010. Doutorado em Direito do Estado (Sociologia do Direito) pela UFPR em 2002. Mestrado em Ciência Política pela UFRGS em 1999 e Graduado em Direito (Ciências Jurídicas e Sociais) pela PUCRS em 1991. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1994035197960346. Email: oxleyalvaro37@gmail.com
Tiago Lorenzini Cunha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutorando em Ciências Criminais pela PUCRS na linha de violência e segurança pública. Mestre em Ciências Criminais pela PUCRS. Graduado no curso de especialização em Direito Penal e Política Criminal: Sistema Constitucional e Direitos Humanos pela UFRGS. Graduado em Direito pela PUCRS. Atualmente bolsista CAPES.

Lattes: lattes.cnpq.br/1150674172857468. Email: tiagolorenzini@hotmail.com

Referências

BARAK, Gregg. Unchecked Corporate Power: Why the crimes of multinational corporations are routinized away and what we can do about it. New York: Routledge, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: A busca por segurança no mundo atual. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

___________. Vida a crédito: Conversas com Citlali Rovirosa-Madrazo. Tradução de Alexandre Werneck. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Tradução de J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.

BECKER, Howard Saul. Outsiders: Studies in the sociology of deviance. New York: The Free Press, 1963.

BERNAL SARMIENTO, C. E. (et al.). Más Allá de la Criminología. Un Debate Epistemológico sobre el Daño Social, los Crímenes Internacionales y los Delitos de los Mercados. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014.

BERGALLI, Roberto. Diálogos sobre Criminología, Genocidio y Daño Social com Wayne Morrison, Eugenio Raúl Zaffaroni y Roberto Bergalli. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero Limitada, 1983.

___________. Sobre a televisão. Tradução de Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

___________. (1930-2002). Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-92). Tradução de Rosa Freire d’Aguiar. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CHAMAYOU, Grégoire. Teoria do Drone. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. Tradução de Paulo Neves. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

___________. Da divisão do trabalho social. Tradução de Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: EDIPRO, 2016.

___________. O suicídio: estudo de sociologia. Tradução de Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: EDIPRO, 2014.

DWORKIN, Ronald. A raposa e o porco-espinho: justiça e valor. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

FARIÑAS DULCE, María José. Neoliberalismo versus democracia. Eunomía. Revista en Cultura de la Legalidad. nº14, abril/setembro, p. 342-352, 2018.

FERRAJOLI, Luigi. Criminología, Crímenes Globales y Derecho Penal. El Debate Epistemológico en la Criminología Contemporânea. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014.

FERRELL, J. Crimes of style: urban graffiti and the politics of criminality. Boston: Northern University Press, 1996.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FRIEDRICHS, David O. Crimes of the powerful and the definition of crime. In: GREGG, Barak (editor). The Routledge International Handbook of the Crimes of the Powerful. London: Routledge, 2015.

GARLAND, David. Disciplining Criminology? Revista Sistema Penal e Violência, Porto Alegre, vol. 1, nº1, jul./dez., p. 114-125, 2009.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Parte I. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

HAYWARD, Keith J. City limits: crime, consumer culture and the urban experience. London: Cavendish, 2004.

______; YOUNG, Jock. Cultural Criminology. In: MAGUIRE, Mike et al. The Oxford handbook of criminology. London/New York: Oxford University Press, 2007.

______; PRESDEE, Mike. Framing Crime: Cultural Criminology and the Image. New York: Routledge, 2010.

HILLYARD, Paddy; TOMBS, Steve. Beyond criminology? In: HILLYARD, Paddy; TOMBS, Christina Pantazis Steve; GORDON, Dave. Beyond Criminology: Taking Harm Seriously. London: Fernwood Publishing, 2004.

______; TOMBS, Christina Pantazis Steve; GORDON, Dave. Beyond Criminology: Taking Harm Seriously. London: Fernwood Publishing, 2004.

HOBBES, Thomas. Leviatã. Matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. 3 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KELSEN, Hans. Teoria pura do Direito: introdução à problemática científica do direito. Tradição de J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

LYOTARD, Jean-François. The Postmodern Condition: A Report on Knowledge. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

______. O Inumano: considerações sobre o tempo. Tradução de Ana Cristina Seabra e Elisabete Alexandre. 2 ed. Lisboa: Estampa, 1997.

MATE, Reyes. Meia-noite na história: comentários às teses de Walter Benjamin. Tradução de Nélio Schneider. São Leopoldo, RS: UNISINOS, 2011.

______. Contra lo políticamente correcto: política, memoria, justicia. 1 ed. Buenos Aires: Altamira, 2006.

MILLS, C. Wright. The sociological imagination. New York: Oxford University Press, 1959.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. In: Necropolítica seguido de Sobre el Gobierno Privado Indirecto. Tradução e edição de Elisabeth Falomir Archambault. Madri: Melusina, 2011, p. 17-76.

MORRISON, Wayne. Theoretical Criminology: from modernity to post-modernism. London: Cavendish Publishing Limited, 1995.

______. Criminología, civilización y nuevo orden mundial. Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori Del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona, 2012.

______. La Imaginación Criminológica Bajo la Globalización: Recordando lo Desaparecido. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014a.

______. Diálogos sobre Criminología, Genocidio y Daño Social com Wayne Morrison, Eugenio Raúl Zaffaroni y Roberto Bergalli. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014b.

______. Jurisprudence: from the Greeks to post-modernism. Abingdon, Oxon: Routledge, 2016.

RIVEIRA BEIRAS, Iñaki . Diálogos sobre Criminología, Genocidio y Daño Social com Wayne Morrison, Eugenio Raúl Zaffaroni y Roberto Bergalli. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SCHOSHANA, Felman. O inconsciente jurídico: julgamentos e traumas no século XX. Tradução de Ariani Bueno Sudatti. São Paulo: EDIPRO, 2014.

WEBER, Max. Ciência e Política: Duas Vocações. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octany Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 2004.

______. Sociologia das religiões. Tradução de Cláudio J. A. Rodrigues. 1 ed. São Paulo: Ícone, 2010.

YOUNG, Jock. Writing on the Cusp of Change: A New Criminology for an Age of Late Modernity. In: WALTON, Paul; YOUNG, Jock (ed.). The New Criminology Revisited. Nova York: Palgrave Macmillan, 1998.

______. The vertigo of late modernity. London: SAGE, 2007.

______. The criminological imagination. Cambridge: Polity Press, 2011.

ZAFFARONI, Eugenio. Rául. A questão criminal. Tradução Sergio Lamarão. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2013.

______. Diálogos sobre Criminología, Genocidio y Daño Social com Wayne Morrison, Eugenio Raúl Zaffaroni y Roberto Bergalli. In: Delitos de los Estados, de los Mercados y Daño Social: Debates en Criminología Crítica y Sociología jurídico-penal. RIVEIRA BEIRAS, Iñaki (coord.). Barcelona: Anthropos Editorial; Observatori del Sistema Penal i els Drets Humans de la Universitat de Barcelona (OSPDH), 2014.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. Tradução de Miguel Serras Pereira. São Paulo: Boitempo, 2014.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Oxley da Rocha, Álvaro F., & Cunha, T. L. (2020). REPENSANDO A IMAGINAÇÃO CRIMINOLÓGICA E OS MECANISMOS DE LUZ E SOMBRA DOS ESTADOS SOBERANOS NA MODERNIDADE. Revista De Direitos E Garantias Fundamentais, 21(3), 75-118. https://doi.org/10.18759/rdgf.v21i3.1657