Quem matou Odete Roitman? A responsabilidade do Estado sobre o entretenimento televisivo e os reflexos jurídicos da representatividade social na telenovela brasileira

Marco Antonio Turatti Junior, Renato Bernardi

Resumo


Este artigo visa discutir a influência e importância jurídica das telenovelas no cenário social brasileiro. Assim, a discussão perpassa pela responsabilidade do Estado no entretenimento televisivo questionando o seu viés de atuação, uma vez que o pensamento criativo não deve ser regulado, mas sim, outras condições que garantam o Estado democrático de direito e a titularidade dos direitos humanos. Portanto, as telenovelas indicam os costumes e comportamentos sociais na televisão e demonstram aquilo que a sociedade está apta ou prefere compreender, assim, o problema de falta de representatividade se encontra na sociedade real, e não na narrativa ficcional da telenovela. 


Palavras-chave


Entretenimento televisivo. Pensamento criativo. Responsabilidade do Estado

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCON, Pietro de Jesus Lora. Ciência política, Estado e direito público: uma introdução ao direito público da contemporaneidade. São Paulo: Editora Verbatim, 2011

ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. 2ª edição. São Paulo: Senac, 2004.

BARBOSA, Rui. A imprensa e o dever da verdade. São Paulo: Editora Papagaio, 2004.

BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no Direito Constitucional contemporâneo: a construção de um conceito jurídico à luz da jurisprudência mundial. 1ª reimpressão. Belo Horizonte: Editora Fórum. 2013.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. (Tradução Carlos Nelson Coutinho) Nova ed. - 7ª reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A, 1989.

________. Sobre a televisão. Tradução de Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

BREGA FILHO, Vladimir. Direitos fundamentais na Constituição de 1988: conteúdo jurídico das expressões. São Paulo: Editora Juarez de Castro. 2002.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Nação, Sociedade civil, Estado e Estado-Nação: uma perspectiva histórica. Classificação JEL: O10 N, v. 1, p. N10, 2009.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de sociologia jurídica. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 13. ed. São Paulo: Editora Ática, 2008.

CUNHA, José Sebastião Fagundes: Os direitos humanos e o direito de integração. 1998. Disponível em: http://www.fagundescunha.org.br/artigos/humanos_integracao.htm

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003.

DRUMMOND, Lucas. 50 anos de novelas: a trajetória da representação homossexual e o beijo gay que parou o Brasil. 1 ed. Curitiba: Appris, 2015.

GONTIJO, Silvana. O livro de ouro da comunicação. Rio de Janeiro: Editora Ediouro, 2004.

GUERRA, Sidney. A liberdade de imprensa e o direito à imagem. 2. Ed. – Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

HAMBURGER, Ester. O Brasil antenado: A Sociedade da Novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia e o triunfo do espetáculo. Líbero – Revista do Programa de Pós-Graduação da Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, v. 6, n. 11. 2003. Disponível em: http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/libero/article/view/3901/3660. Acesso em: 09/11/2016.

KRIS, Ernst. Psicanálise da arte. Tradução de Marcelo Coração. São Paulo: Brasiliense, 1968.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela brasileira: uma narrativa sobre a nação. Comunicação & Educação, v. 9, n. 26, 2007.

MELO, Zélia Maria de. Estigmas: Espaço para exclusão social. Revista Symposium, v. 4, n. especial, dez. 2000.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. 33. Ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

ORTIZ, Renato; BORELLI, Silvia Helena Simões; RAMOS, José Mario Ortiz. Telenovela: história e produção. São Paulo: Brasiliense, 1988.

RIBEIRO, Renato Janine. O Afeto autoritário: Televisão, ética e democracia. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2001.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 25.ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: LeYa, 2015.

UNESCO. Declaração de Princípios sobre a Tolerância. 1995




DOI: http://dx.doi.org/10.18759/rdgf.v20i1.949

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Direitos e Garantias Fundamentais

Licença Creative Commons
Revista de Direitos e Garantias Fundamentais http://www.fdv.br/sisbib/index.php/direitosegarantias está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.