Los derechos humanos ante la instrumentalización biopolítica de la vida humana. Por una política de la vida

Castor M. M. Bartolomé Ruiz

Resumo


Os direitos humanos são cada vez mais confrontados com as implicações políticas de certos discursos científicos sobre a vida humana. A vida humana tem sido objetivada pela racionalidade moderna como um mero recurso biológico, reduzido a um elemento útil e produtivo. Essa objetivação transforma cada vez mais a política em uma estratégia biopolítica de governo. Por sua vez, o discurso dos direitos humanos deve ser resignificado como prática de resistência às políticas de controle instrumental da vida e propor um novo significado da política como política de vida. Ou seja, uma política em que a vida é o objetivo final da política e não um mero meio instrumental para outros fins.


Palavras-chave


Biopolítica. Zoe/bios. Neurociencia. Violencia. Derechos humanos.

Texto completo:

PDF (Español (España))

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. O poder soberano e a vida nua.Belo Horizonte: UFMG, 2002.

AGAMBEN, Giorgio.Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, Giorgio.El reino y la gloria. Una genealogía de la economía y del gobierno. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2008.

ARISTÓTELES.Política.Londres: Oxford University Press, 1967.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 2010.

BARTOLOMÉ RUIZ, Castor M.M. “A justiça perante uma crítica ética da violência”. In Id. Justiça e memória. Por uma crítica ética da violência.São Leopoldo: Unisinos, 2009, p. 83-117.

BENJAMIN, Walter. “Por uma crítica da violência”. In: Id. Documentos de cultura, documentos de barbárie. São Paulo: Cultrix, 1986.

DAMÁSIO, Antonio. O Erro de Descartes. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DAMÁSIO, Antonio.. Em Busca de Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DAWKINS, Richard. O Gene Egoísta. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2001.

DAWKINS, Richard. The selfish genes. New ork: Oxford University Press, 1989. (O Gene Egoísta. Tradução de Geraldo H. M. Florsheim. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2001.)

DAWKINS, Richard. A grande história da evolução. São Paulo: Companhia das letras. 2009.

DERRIDA, Jacques. Força de lei.São Paulo: Martin Fontes, 2007.

ESPOSITO, Roberto. Immunitas. Protección y negación de la vida. Madrid: Amorrurtu, 2005.

ESPOSITO, Roberto. Bíos. Biopolítica y filosofía. Buenos Aires: Amorrurtu, 2006.

FOUCAULT,Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

FOUCAULT, Michel. Il faut défendre la societé. Cours au Collège de France, 1976. Paris: Hautes Études/Gallimard/Seuil, 1997.

FOUCAULT, Michel. Historia da sexualidade: Vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Securité, territoir, population. Paris : Gallimar/Seuil, 2004a (Segurança, Território e População. São Paulo : Martin Fontes, 2008).

FOUCAULT, Michel.Naissance de la biopolitique. Cours ao College da France, 1977-1978. Paris: Gallimar/Seuil, 2004b.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo, 2014.

KJELLEN, Rudolph. Staten somlivsform. Estocolmo, 1916.

LOCKE, John. Segundo Tratado do Governo. Martin Fontes, 2001.

LORENZ, Konrad. Sobre la agresión: el pretendido mal. México: Siglo XXI, 1974.

LORENZ, Konrad. Natural Science of The Humans Species. Nova York: Mit Press, 1966.

NANCY, Jean Luc. “Note sur le terme de biopolitique ». In. Id. La crèation du monde ou la mondialisation.Paris :Galilée, 2002.

ROBERTS, Morley. Bio-politics. An essay in the physicology, pathology and politics of the social and somatic organism. Londres, 1938.

SOMIT, Albert (org). Biology and politics.Where It Has Been and Where It Is Going (The World of Political Science). La Haya, 1976.

THORSON, Thomas Landon. Biopolitics. Nueva York: Holt, Rinehart and Winston, 1970

UGARTE, Javier Perez (org.). La administración de la vida. Estudios biopolíticos.Barcelona: Anthropos, 2005.

UEXKÜLL, Jacob von. Staatsbiologie. Anatomie, Phisiologie, Pathologie des Staates.Berlin, 1920.

WILSON, Edward. Sociobiología. Una nueva síntesis. Buenos Aires: Ómega, 1975.




DOI: https://doi.org/10.18759/rdgf.v19i1.1108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Direitos e Garantias Fundamentais

Licença Creative Commons
Revista de Direitos e Garantias Fundamentais http://www.fdv.br/sisbib/index.php/direitosegarantias está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.